Editoras de imprensa europeus pedem um mecanismo de arbitragem ao estilo australiano na Europa

Os editores de imprensa (jornais e revistas em papel e digital) europeus e a Microsoft concordaram hoje em trabalhar em conjunto numa solução para garantir que os editores de imprensa europeus sejam pagos pela utilização dos seus conteúdos por gatekeepers que tenham poder de mercado dominante, em conformidade com os objetivos da nova Diretiva relativa aos Direitos de Autor do Mercado Único Digital da EU (em fase de transposição em Portugal), que entra em vigor em junho deste ano e que se inspira na nova legislação australiana que exige que os guardiões tecnológicos abrangidos por essa lei partilhem receitas com empresas noticiosas.

 
media

A solução deverá ordenar os pagamentos pela utilização do conteúdo dos editores de imprensa por estes gatekeepers e incluir disposições de arbitragem, a fim de assegurar a negociação de acordos justos. Estas disposições devem considerar o modelo estabelecido pela legislação australiana, que permite a um painel arbitral estabelecer um preço justo com base numa avaliação dos benefícios obtidos por cada uma das partes na inclusão dos conteúdos noticiosos nas plataformas destes gatekeepers, dos custos de produção destes conteúdos e de qualquer encargo indevido que um montante colocaria nas próprias plataformas.

 
 

Embora os editores de imprensa tenham concedido um direito conexo na UE, as negociações com esses gatekeepers não produziram resultados justos, a menos que sejam apresentadas medidas regulamentares adicionais para abordar os gatekeepers com poder de mercado dominante, através de quadros regulamentares adequados, como o Ato dos Mercados Digitais, o Ato dos Serviços Digitais ou outras leis nacionais.

A EMMA, a ENPA, a EPC, a NME e a Microsoft exigem, por isso, a aplicação de um mecanismo de arbitragem na legislação europeia ou nacional, em Portugal existe um mecanismo semelhante no Estatuto do Jornalista, exigindo que esses gatekeepers paguem por conteúdos de imprensa no pleno respeito pelo Direito do Editor estabelecido na Diretiva 2019/790. Congratulamo-nos com as propostas apresentadas por vários deputados ao Parlamento Europeu de introduzir um mecanismo de arbitragem final no Regulamento. Isto é necessário para evitar minar o âmbito de aplicação do Direito dos Editores e para criar segurança jurídica. Caso contrário, embora os editores de imprensa tenham um Direito Conexo, podem não ter a força económica para negociar acordos justos e equilibrados com estas empresas de tecnologia que, de outra forma, poderiam ameaçar abandonar totalmente as negociações ou sair totalmente dos mercados.

 
 

Christian Van Thillo, Presidente do European Publishers Council disse “Congratulamo-nos com o reconhecimento pela Microsoft do valor que o nosso conteúdo traz para os principais negócios dos motores de busca e redes sociais porque é aqui que o Google e o Facebook geram a grande maioria das suas receitas. É crucial que os nossos Reguladores reconheçam este ponto-chave e não se enganem ao pensarem que os acordos paralelos, com base num produto autónomo, são a mesma coisa, porque não são de todo e minam os Direitos Conexos que nos foram concedidos. Todos os editores devem conseguir um acordo – ninguém deve ficar de fora”.

Fernando de Yarza, Presidente da News Media Europe disse que “As experiências em França e na Austrália mostraram-nos que há uma necessidade real de um instrumento vinculativo para resolver os desequilíbrios inerentes ao poder de negociação com os gatekeepers, que minam o potencial do setor da imprensa europeia. Estamos ansiosos para trabalhar com a Microsoft e outros numa solução que permita um ecossistema de media online saudável e diversificado”.

 

Jean-Pierre de Kerraoul, Presidente da ENPA, afirmou: “O jornalismo independente é vital para a coesão social que é essencial para a democracia. Mas a internet e as redes sociais não têm sido amáveis com a imprensa livre, com a maioria dos pontos de venda a serem fortemente atingidos. Um ecossistema plenamente funcional e competitivo reforçará o pluralismo dos meios de comunicação social e reforçará, em última análise, o discurso democrático. A democracia depende de uma imprensa livre para passar por tempos difíceis. Qualquer proposta legislativa que reforce a democracia e apoie uma imprensa livre deve ser promovida pela indústria tecnológica, que é um produto das mesmas liberdades e valores.”

Xavier Bouckaert, Presidente da EMMA, afirmou: “O DMA ou outro regulamento vinculativo deve implicar uma obrigação específica para os gatekeepers concederem a todas as publicações legais acesso não discriminatório e condições justas aos seus serviços. Isto deve incluir a obrigação de as plataformas dominantes do mercado entrarem em negociações com todos os titulares dos direitos dos Editores e oferecerem um pagamento justo pelo seu conteúdo. Congratulamo-nos, portanto, com o compromisso de hoje, uma vez que abrange tanto os editores de jornais como as revistas.”

 

Casper Klynge, Vice-Presidente da Microsoft, disse que “O acesso a uma cobertura de imprensa fresca, ampla e profunda é fundamental para o sucesso das nossas democracias. O nosso compromisso em preservar e promover o jornalismo não é novo. Em outubro de 2020, lançámos uma nova iniciativa para investir e apoiar os meios de comunicação locais e, através do Microsoft News, temos vindo a partilhar uma grande parte das receitas com editoras de imprensa. Esta iniciativa é um próximo passo lógico.”

João Palmeiro, Presidente daAssociação Portuguesa de Imprensa, membro da EMMA e da ENPA, afirma que “a Associação Portuguesa de Imprensa subscreve na totalidade este Comunicado, lembrando a existência de um mecanismo semelhante em Portugal desde 1999”.

Comentários

comentários

Você pode gostar...