Funcionário de residência da Universidade do Minho é afastado após ser acusado de assédio sexual

Um funcionário da Residência Prof. Carlos Lloyd da Universidade do Minho, em Braga, foi afastado do cargo após acusações de assédio sexual.

 

Em comunicado, a Reitoria da Universidade do Minho informou que “tomou conhecimento de uma acusação de assédio numa residência universitária, envolvendo um trabalhador da nossa instituição. Relativamente a este caso, foi já desencadeado um processo de inquérito, tendo sido determinada a retirada do trabalhador em causa do seu posto de trabalho”.

 
 
© CM Braga

No discurso de tomada de posse de Rui Vieira de Castro, que foi reconduzido no cargo para o período 2021-2025, o reitor anunciou medidas de combate ao assédio dentro da instituição. “Ocorreram no Campus de Gualtar atos exibicionistas e de assédio a estudantes desta instituição, praticados por individuo(s) não identificado(s)”, informa.

A Universidade referiu que já “comunicou estes incidentes às autoridades, encontrando-se os mesmos sob investigação. Entretanto, foram tomadas medidas de reforço de segurança das pessoas e corte de vegetação no campus. Iniciaram-se também os procedimentos necessários ao reforço de iluminação”.

 
 

“A Universidade do Minho lamenta profundamente esta situação, que encara com toda a seriedade, e tudo fará para que ela não se repita”, finalizou.

Fonte: Braga TV

 

Comentários

comentários

Você pode gostar...