“Não se pode pensar, fora das possibilidades da língua em que se pensa”

Dominar a língua portuguesa é muito mais do que aprender as regras e truques que nos permitem utilizá-la com correção. É verdade que são as regras que nos ensinam a escrever e a comunicar mais e melhor com os outros, principalmente no meio de um povo totalmente desconhecedor das regras gramaticais e com uma enorme tendência enorme para a criação de neologismos (novas palavras).

 

Nas escolas, os professores de português enfrentam, todos os dias um desafio impressionante perante os seus alunos que, por vezes, revelam desdém, desprezo e recusa em querer aprender verdadeiramente a língua portuguesa. Cada vez mais, nos nossos tempos, é fundamental aprender as regras gramaticais para se conseguir escrever textos bem estruturados e coerentes que são imprescindíveis à nossa vida profissional e ao nosso convívio diário com os outros. Verificamos que, com mais frequência somos avaliados e julgados pelos discursos que proferimos, pela forma como nos expressamos e a pela facilidade com que nos fazemos entender. Quando desprezamos as regras mínimas do português, principalmente ao nível da escrita, reduzimos significativamente a capacidade criativa da nossa língua.

 
 

De facto, a língua portuguesa ocupa um lugar muito importante no mundo, o que se pode facilmente comprovar com o facto de ser utilizada por um número cada vez mais significativo de pessoas de todos os continentes. Atualmente, é o idioma oficial em Portugal, Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Timor Leste, Macau e Brasil. É também o terceiro idioma mais falado no ocidente e a sexta língua com mais falantes em todo o mundo.

Em jeito de conclusão, é fundamental conhecermos muito bem a nossa língua portuguesa para podermos realizar diversas atividades relacionadas com a escrita e com a leitura, assim como desenvolver outras competências mais complexas que nos permitirão obter o merecido destaque e diferenciação no ambiente profissional que, como sabemos, se revela cada vez mais exigente e seletivo.

 
 
Ricardo Silva

Comentários

comentários

Você pode gostar...