Redes biodegradáveis: sustentabilidade e eficiência em Esposende

No âmbito do projeto E-REDES está a ser desenvolvido um estudo-piloto, que compreende a entrega à comunidade piscatória local de redes de pesca fabricadas com uma resina biodegradável, especificamente desenhada para o fabrico de monofilamentos destas redes.

 
redes


A quantidade, distribuição e efeitos de equipamentos de pesca perdidos aumentou substancialmente nas últimas décadas, devido à rápida expansão no esforço de pesca e no uso, nas artes pisctórias, de materiais sintéticos, altamente duráveis e flutuantes. A poluição marinha, causada por plásticos não-degradáveis, tornou-se um dos problemas ambientais mais sérios a uma escala global e os problemas ecológicos e socioeconómicos derivados do abandono, perda ou descarte de equipamentos de pesca são uma preocupação crescente.

 
 


O projeto prevê dotar as mais de 30 embarcações que operam no litoral de Esposende com estas redes biodegradáveis, por um período-experimental de um ano, período ao longo do qual serão recolhidas opiniões da eficiência e durabilidade das artes junto dos pescadores aderentes. O uso futuro destas redes será assegurado caso a comunidade piscatória fique perfeitamente esclarecida tanto da sua eficiência pesqueira como das vantagens para o ambiente marinho.


O E-REDES é um projeto cofinanciado pelos EEA Grants e promovido pelo Município, em parceria com a empresa municipal Esposende Ambiente, a Universidade do Minho e a Associação de Defesa do Ambiente – Rio Neiva. A sua implementação contribui para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU, no que se refere ao ODS 12 – Produção e Consumo Sustentáveis, ODS14 – Proteger a Vida Marinha e ODS 17 – Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade, processo relativamente ao qual este município tem tanto empenho.

 
 

Trabalhos em curso
Serão recolhidas opiniões, junto dos pescadores aderentes, sobre a eficiência e durabilidade destas artes inovadoras e biodegradáveis. O projeto prevê equipar, durante o período-experimental de um ano, as mais de 30 embarcações que operam no litoral de Esposende, com redes biodegradáveis. O seu uso futuro apenas poderá ser assegurado, caso a comunidade piscatória fique perfeitamente
esclarecida, tanto da sua eficiência pesqueira, como das vantagens para o ambiente marinho.

As redes estão a ser testadas em laboratório, de modo a obter características mecânicas tais como: resistência à tração, resistência à abrasão, resistência à fadiga, deformabilidade, resistência ao corte, entre outras. Adicionalmente, são também testadas em laboratório características de durabilidade e a resistência à exposição a diversas condições de degradação ambiental, tais como a molhagem e
secagem, exposição aos UVs, exposição a ambientes ácidos ou alcalinos e sais ou agentes químicos.

 


Paralelamente, para que seja possível comparar a eficiência pesqueira de redes de emalhar e tresmalho, mas produzidas com material biodegradável, com as produzidas com material convencional, foi desenhado um programa de teste da eficiência pesqueira, recorrendo a pesca-experimental. Este estudo pretende avaliar a eficiência pesqueira destas redes e comprovar, ou não, a eficiência pesqueira das
mesmas, sendo que os resultados preliminares são promissores.

Comentários

comentários

 

Você pode gostar...